Denise Monteiro

Conheci o API no momento mais difícil que já enfrentei na vida, seis dias após a partida da minha querida mãe, Cida Monteiro.Pensei que nunca iria conseguir sobreviver sem minha amada, amiga, companheira. Pensei que na minha vida nunca mais caberia alegria e risadas gostosas.Pensei que não iria aguentar tanta dor e saudade. Pensei que jamais teria ganhos com essa perda irreparável. Até que uma amiga, que também havia se despedido do pai e estava muito
triste, me convidou para a reunião do API. Eu não conhecia essa maravilha, que a cada reunião me transforma, me
acolhe e me dá forças e esperanças para continuar a viver com bem estar e dignidade. A oportunidade que tive e tenho, há quase 3 anos, de fazer parte deste grupo, me faz a cada dia uma pessoa mais humilde, mais convencida de
que não temos o controle de nada nesta vida. O API me tornou uma pessoa mais serena, mais vibrante com as pequenascoisas e mais atenta para aquilo que realmente tem valor e faz sentido. Falar da Gláucia Tavares não é fácil para mim, pois tenho a sensação que ficará faltando alguma coisa, algum adjetivo, de tão importante que ela foi e é na minha vida.No grupo tive o privilégio de conhecer pessoas maravilhosas e criar vínculos com elas. No API temos a liberdade de chorar, de falar se quisermos e de calar, se preferirmos. Tudo é muito belo e maravilhosamente orquestrado por nossa querida coordenadora. No grupo posso compartilhar meus sinais e ser compreendida, porque somente quem vive ou viveu um luto, sabe da maravilha de receber e acreditar em contatos com nossos entes que estão conosco em outra forma, em outra energia, mas que estão sempre conosco. As reuniões me fortalecem e, por isso, sou frequentadora dos dois grupos. Quando fico impedida de ir sinto falta, sinto saudade de rever os amigos que fiz e de ajudar, de alguma forma, a receber os novatos. Devo minha recuperação a esse grupo e em especial a Gláucia Tavares.
Ela é uma  querida, pessoa extraordinária, brilhante nesta doação e maravilhosa na missão que recebeu através de uma perda irreparável. Um exemplo para todos nós!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *